O dia em que uma fake news foi longe demais

with Nenhum comentário

É procedimento automático estamparmos as produções dos estudantes nas paredes e corredores do colégio. Assim compartilharmos nossas descobertas e apreciamos as obras de cada um.

Nos últimos dias, misturaram-se às exposições algumas notícias inéditas, como a invenção de um útero artificial, o adiamento da Copa do Mundo e a fuga do Lula da prisão. Todas convincentes, em formato jornalístico, com foto, legenda, autor e endereço online.

Além das notícias, também foi divulgado o seguinte comunicado:

 

Em questão de minutos a notícia se espalhou por toda a escola e gerou uma onda de revolta. Organizaram imediatamente um abaixo-assinado e conseguiram assinatura de METADE dos estudantes para revogar a suposta decisão da Equipe Pedagógica.

O comunicado sobre o cardápio vegetariano se tornou assunto em sala de aula, gerou pesquisa, debates, mas também causou certa confusão e desentendimentos.

 

Cartazes de protesto foram espalhados pela escola

 

EQUÍVOCO MIDIÁTICO

Depois de uma semana agitada, a revelação: as notícias faziam parte de um trabalho do 3º ano do Ensino Médio com o professor Gustavo, chamado Equívoco Midiático.

Estavam provando a efetividade das fake news  notícias mentirosas com intenção de manipulação, de distração, etc.

Mergulharam neste universo, planejaram as estratégias e abordaram propositalmente temas que previam comoção e reação imediata.

Uma matéria que alertava sobre o crescimento da lepra chegou aos grupos de WhatsApp de famílias, imaginem…

 

DE BACON A VIDA

 

Hoje em assembleia com todos os alunos, a turma desmentiu cada notícia e explicou as motivações e os resultados do projeto.

A lepra não está se espalhando, o Lula não fugiu, não há útero artificial, nem sereias, nem armamento 3D. Vai ter Copa do Mundo e carne no cardápio.

Houve uma séria conversa sobre a necessidade de estarmos atentos às informações que consumimos.

Sobre buscarmos a fonte das informações.

Sobre os meios de produção de carne.

Sobre a velocidade com que compartilhamos conteúdos sem exatidão.

Sobre a facilidade com que somos enganados.

Sobre as próximas eleições.

Sobre a oportunidade de movimentos sociais e políticos se aproveitarem deste meio.

Sobre internet e as redes sociais.

Sobre a forma como fazemos ciência na escola…

As fake news foram longe demais, e a turma deu a melhor aula de todas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.