Estudantes vão à Bovespa e investem em conhecimento

with Nenhum comentário

Por Letícia Medeiros

Segundo semestre. É previsto que as turmas de 9º ano estudem neste período funções afins, funções quadráticas, áreas de polígonos e conceitos básicos de estatística.

Na Pedagogia Freinet, “como vamos aprender” e “como vamos nos avaliar” são perguntas que fazemos no início do trabalho.

Enquanto professora, procuro dar sugestões do que podemos fazer para abranger os conteúdos previstos, seja uma aula-passeio ou uma apresentação diferente.

Mas neste semestre foram os alunos que trouxeram as melhores sugestões!

 

Ao dizer que iríamos estudar conceitos básicos de estatística um aluno levantou a mão:

– Professora, eu nunca entendi o que são os índices que aparecem na Bolsa de Valores, sabe? Aqueles gráficos que se parecem mais com batimentos cardíacos. Nós poderíamos fazer um trabalho sobre a Bolsa… Fala-se tanto no jornal que eu gostaria de entender.

Aproveitei o gancho e embalei na ideia.

Antes de começar o trabalho, convidamos um palestrante para nos ajudar a entender conceitos básicos do mercado de ações. Otávio Medeiros, vice-diretor do colégio, é formado em Administração e possui carreira na área bancária.

Otávio falou sobre as empresas que possuem capital aberto e explicou um pouco do significado de investir em ações.

Após a palestra começamos a traçar melhor nosso caminho. Definimos datas, cronograma, grupos de trabalho e como seria feita a avaliação.

 

Visita à Bovespa

Durante o processo visitamos a Bolsa de Valores do Estado de São Paulo (BM&FBovespa).

Aquela loucura que era o pregão, com dezenas de pessoas no telefone gritando já não existe mais, porém pudemos conhecer o funcionamento do pregão virtual e acompanhar os índices das ações em tempo real.

Dia de apresentação. Cada grupo investigou o assunto que mais lhe parecia interessante.

  • Teve grupo que entrou em contato com os maiores investidores do Brasil, e trouxe entrevista com dicas de investimento.
  • Teve grupo que fez simulações de investimentos ao longo do mês de trabalho. Mesmo investindo em empresas rentáveis, como foi o caso da Sabesp, perderam dinheiro pois esqueceram do valor que a corretora cobrava.
  • Teve grupo que fez um gráfico interativo com os índices da Bovespa relacionando cada queda na Bolsa com eventos históricos.
  • Teve grupo, inclusive, que desenvolveu um cálculo para determinar se “valia a pena” comprar/vender uma ação, de acordo com o índice de crescimento do valor da ação relacionada à taxa cobrada pela corretora.

 

Ações em alta

Durante as semanas do projeto, os estudantes discutiram ações que subiram ou desceram e analisaram se fizeram certo em ter comprado ou vendido naquele momento. Deram significado para a matemática dizendo que agora entendiam quando, no Jornal Nacional, o Ibovespa terminava em alta ou baixa. Compararam gráficos de índices e relacionaram a matemática com notícias reais do dia a dia. Permitiram que a matemática extrapolasse os limites da sala de aula.

Saímos no lucro.

Deixe uma resposta